Pobre Caetano


Caetano Veloso livrou-se da perua que durante 15 anos atentou contra sua força criativa, mas não se livrou da mediocridade a que ela o relegou. Seu novo álbum, , é uma caricatura do outrora genial baiano que sacudiu a música e a cultura brasileiras. É uma pena.
Pensando bem, não dá para afirmar que Paula Lavigne (que, logo depois de se casar com o ídolo declarou numa entrevista que possuía nas mãos um produto de grande potencial e o transformaria numa fábrica de dinheiro) sumiu da vida de Caetano. As novas canções parecem falar quase sempre dela, ainda que seja para dizer que "cê foi a mor rata comigo".

Coisas assim: "Já chorei muito por você / também já fiz você chorar / agora olhe pra lá porque / eu fui me embora / você nem vai me reconhecer / quando eu passar por você." Ou esta pérola: "Eu sou homem / pele solta sobre o músculo / eu sou homem / pêlo grosso no nariz". É, você não acredita, mas é o Caetano.

O novo CD reúne 12 faixas dificílimas de atravessar. São melodias sem inspiração, letras ruins, arranjos medíocres. Pelo menos três faixas - Wally Salomão, Odeio e Homem - são impossíveis de ouvir até o fim. As outras você suporta, enquanto seu pensamento passeia pela estante em busca dos CDs dos bons tempos - Transa, Cinema Transcendental, Velô, Circuladô, Outras Palavras, Jóia, Cores Nomes, Qualquer Coisa... Quanta diferença!

E, para completar, a crítica musical fica babando diante de Caetano e não consegue mostrar que o reizinho está nu.
Postar um comentário