ALGUNS POEMAS DE LEONARD COHEN


Rites
Bearing gifts of flowers and sweet nuts/ the family came to watch the eldest son,/ my father; and stood about his bed/ while he lay on a blood-sopped pillow,/ his heart half rotted/ and his throat dry with regret./ And it seemed so obvious, the smell so present,/ quite so necessary,/ but my uncles prophesied wildly,/ promising life like frantic oracles;/ and they only stopped in the morning,/ after he had died/ and I had begun to shout.

Ritos 
Trazendo flores e doces castanhas /a família veio assistir o filho mais velho,/ 
meu pai; e ficou ao lado da cama,/ ele deitado sobre um travesseiro ensanguentado,/ seu coração enfraquecido/ e sua garganta seca de arrependimentos./ Tudo parecia tão óbvio, o cheiro tão presente,/ quase necessário,/ mas meus tios profetizavam loucamente,/ prometendo a vida como frenéticos oráculos, / e só pararam ao amanhecer,/ depois que ele morreu/ e eu comecei a gritar. 
De Let us compare mythologies 
Famous blue raincoat 
It's four in the morning, the end of December/ I'm writing you now just to see if you're better/ New York is cold, but I like where I'm living/ There's music on Clinton Street all through the evening./ I hear that you're building/ your little house deep in the desert/ You're living for nothing now,/ I hope you're keeping some kind of record.// Yes, and Jane came by with a lock of your hair/ She said that you gave it to her /That night that you planned to go clear/ Did you ever go clear?// Ah, the last time we saw you you looked so much older// Your famous blue raincoat was torn at the shoulder// You'd been to the station to meet every train// And you came home without Lili Marlene// And you treated my woman to a flake of your life/ And when she came back she was nobody's wife.// Well I see you there with the rose in your teeth/ One more thin gypsy thief/ Well I see Jane's awake/ she sends her regards.// And what can I tell you my brother, my killer/ What can I possibly say?/ I guess that I miss you, I guess I forgive you/ I'm glad you stood in my way./ If you ever come by here, for Jane or for me/ Your enemy is sleeping, and his woman is free./ Yes, and thanks, for the trouble you took from her eyes/ I thought it was there for good so I never tried./ And Jane came by with a lock of your hair/ She said that you gave it to her/ That night that you planned to go clear/ Sincerely, L. Cohen 

A famosa capa de chuva azul 
São quatro da manhã, final de dezembro/ escrevo-lhe para saber se está melhor/ New York está fria, mas gosto de onde vivo/ Há música na rua Clinton por toda a noite/ ouvi falar que está construindo/ sua casinha no fundo do deserto/ Você vive para nada agora/ Espero que esteja escrevendo um diário//  Jane trouxe uma mecha de seu cabelo/ ela disse que você lhe deu de presente/ naquela noite que você planejou escapar/ Você alguma vez escapou?// Ah, a última vez em que nos vimos você parecia tão velho/ sua famosa capa de chuva azul estava puída no ombro/ você esteve na estação à espera dos trens/ e voltou para casa sem Lili Marlene// Você tratou minha mulher como um pedaço de sua vida/ e quando ela voltou não era esposa de ninguém.// Bem, vejo você com uma rosa entre os dentes/ mais um ladrão cigano/ vejo que Jane está acordada/ ela manda cumprimentos.// O que posso dizer, meu irmão, meu assassino/ acho que sinto sua falta, acho que o perdoo/ fico feliz por ter entrado em meu caminho/ se um dia passar por aqui/ por Jane ou por mim/ saiba que seu inimigo está dormindo/ e a mulher está livre/ sim, obrigado por afastar dos olhos dela o sofrimento/ pensei que estava lá por bem/ então nunca tentei.// E Jane trouxe uma mecha de seu cabelo/ ela disse que você lhe deu de presente/ naquela noite que você planejou escapar/ Sinceramente, L. Cohen. 


De Songs of love and hate

Joan of Arc
Now the flames they followed Joan of Arc/ as she came riding through the dark,/ no moon to keep her armour bright,/ no man to get her through this very smoky night./ She said, "I'm tired of the war,/ I want the kind of work I had before,/ a wedding dress or something white/ to wear upon my swollen appetite."// Well, I'm glad to hear you talk this way,/ you know I've watched you riding every day/ and something in me yearns to win/ such a cold and lonesome heroine./ "And who are you?" she sternly spoke/ to the one beneath the smoke./ "Why, I'm fire," he replied,/ "And I love your solitude, I love your pride."// "Then fire, make your body cold,/ I'm going to give you mine to hold,"/ saying this she climbed inside/ to be his one, to be his only bride./ And deep into his fiery heart/ he took the dust of Joan of Arc,/ and high above the wedding guests/ he hung the ashes of her wedding dress.// It was deep into his fiery heart/ he took the dust of Joan of Arc,/ and then she clearly understood/ if he was fire, oh then she must be wood./ I saw her wince, I saw her cry,/ I saw the glory in her eye./ Myself I long for love and light,/ but must it come so cruel, and oh so bright? 

Joana d´Arc 
As chamas perseguiram Joana d´Arc/ enquanto ela cavalgava na escuridão/ sem lua para fazer brilhar sua armadura/ sem homem para conduzi-la pela noite enfumaçada/ Ela disse, ‘estou cansada da guerra/ quero o tipo de trabalho de antes/ um vestido de casamento ou algo branco/ que cubra minha profunda fome’// Bem, estou feliz de ouvi-la falar assim/ sabe que a acompanho todos os dias/ e alguma coisa em mim anseia a conquista/ de tão fria e solitária heroína/ ‘E quem é você’, ela disse ríspida/ para o outro no meio da fumaça/ ‘Sou o fogo’, ele respondeu/ amo sua solidão, amo seu orgulho// ‘Então, fogo, esfrie seu corpo/ dou-lhe o meu para você envolver’/ dizendo assim ela se atirou/ para ser sua única noiva/ e lá no fundo de seu coração em chamas/ ele tomou as cinzas de Joana d´Arc/ e acima dos convidados da festa/ ele pendurou seu vestido de noivado feito cinzas// Então ela viu com clareza/ se ele era fogo, ela era madeira// Eu vi sua dor/ eu a vi chorar/ eu vi a glória em seus olhos/ eu mesmo desejo amor e luz/ mas será preciso ser tão cruel, e tão brilhante? 


De Songs of love and hate

You want it darker
If you are the dealer/ Iam out of the game/ If you are the healer/ I'm broken and lame/ If thine is the glory/ Then mine must be the shame/ You want it darker/ We kill the flame// Magnified and sanctified/ Be Thy Holy Name/ Vilified and crucified/ In the human frame/ A million candles burning/ For the help that never came/ You want it darker/ We kill the flame// Hineni Hineni/ I'm ready, my Lord// There's a lover in the story/ But the story is still the same/ There's a lullaby for suffering/ And a paradox to blame/ But it's written in the scriptures/ And it's not some idle claim/ You want it darker/ We kill the flame// They're lining up the prisoners/ The guards are taking aim/ I struggled with some demons/ They were middle-class and tame/ Didn't know I had permission/ To murder and to maim/ You want it darker/ We kill the flame// Hineni Hineni/ I'm ready, my Lord.

Você quer mais escuro
Se você dá as cartas/ estou fora do jogo/ se você é o curandeiro/ estou manco e quebrado/ se sua é a glória/ minha deve ser a vergonha/ você quer mais escuro/ eu destruo a chama// Magnífico e santificado/ pelo seu Sagrado Nome/ difamado e crucificado/ pela mão humana/ um milhão de velas queimando/ pela ajuda que nunca veio/ você quer mais escuro/ eu destruo a chama// Hineni Hineni*/ Estou pronto, senhor// Há um amante nessa história/ mas a história é sempre a mesma/ Há uma canção de ninar para o sofrimento/ e um paradoxo a culpar/ mas está nas escrituras/ não é uma afirmação vazia/ você quer mais escuro/ eu destruo a chama// Eles enfileiram os prisioneiros/ os guardas estão apontando/ eu luto com alguns demônios/ eles eram de classe média e mansos/ não sabia que me era permitido/ matar e mutilar/ você quer mais escuro/ eu destruo a chama// Hineni Hineni*/ Estou pronto, senhor.

*Hineni – expressão hebraica que pode ser traduzida por “Eis-me aqui”, no sentido de se colocar totalmente à disposição. 


De You want it darker

Alexandra leaving 
Suddenly the night has grown colder./ The god of love preparing to depart./ Alexandra hoisted on his shoulder,/ They slip between the sentries of the heart.// Upheld by the simplicities of pleasure,/ They gain the light, they formlessly entwine;/ And radiant beyond your widest measure/ They fall among the voices and the wine.// It's not a trick, your senses all deceiving,/ A fitful dream, the morning will exhaust -/ Say goodbye to Alexandra leaving./ Then say goodbye to Alexandra lost.// Even though she sleeps upon your satin;/ Even though she wakes you with a kiss./ Do not say the moment was imagined;/ Do not stoop to strategies like this.// As someone long prepared/ for this to happen,/ Go firmly to the window. Drink it in./ Exquisite music. Alexandra laughing./ Your firm commitments tangible again.// And you who had the honor of her evening,/ And by the honor had your own restored -/ Say goodbye to Alexandra leaving;/ Alexandra leaving with her lord.// Even though she sleeps upon your satin;/ Even though she wakes you with a kiss./ Do not say the moment was imagined;/ Do not stoop to strategies like this.// As someone long prepared for the occasion;/ In full command of every plan you wrecked -/ Do not choose a coward's explanation/ that hides behind the cause and the effect.// And you who were bewildered by a meaning;/ Whose code was broken, crucifix uncrossed -/ Say goodbye to Alexandra leaving./ Then say goodbye to Alexandra lost.

Alexandra de partida
De repente a noite ficou mais fria./ O deus do amor se preparando para partir./ Alexandra foi alçada pelo ombro,/ E passaram pelas sentinelas do coração.// Seguros pela simplicidade do prazer,/ alcançam a luz e sem forma se enlaçam/ E mais radiantes do que sua maior medida,/ eles caem entre as vozes e o vinho.// Não é um truque, sua razão enganada,/ um sonho incerto que a manhã esgotará –/ Diga adeus a Alexandra, que parte./ Diga adeus a Alexandra que se perde. // Mesmo que ela durma sobre seu cetim;/ mesmo que ela te acorde com um beijo./ Não diga que isso é fruto da imaginação;/ não se entregue a pretextos como esse.// Como se houvesse se preparado para isso,/ vá com firmeza à janela. Aproveite o momento./ Música linda. Alexandra ri./ Seus compromissos palpáveis outra vez.// E você que teve a honra de seu anoitecer,/ E assim pode restaurar sua própria honra,/ Diga adeus a Alexandra que parte./ Alexandra que parte com seu senhor.// Como se tivesse se preparado para a ocasião,/ No comando de cada plano que você arruinou –/ Não escolha uma explicação covarde/ Que se esconde por trás da causa e do efeito.// E você que ficou desorientado com o significado,/ cujo código foi quebrado, crucifixo descruzado/ Diga adeus a Alexandra que parte./ Diga adeus a Alexandre que se perde. 


De Ten new songs / Book of longing 

Foto: Dominique Issermann / Pinterest
Postar um comentário