O LINCHAMENTO DE MARIA BETHÂNIA

A semana que começou no Dia Nacional da Poesia, 14 de março, foi marcada por uma tentativa de linchamento, na internet, de uma das mais importantes artistas da música brasileira: Maria Bethânia. A partir da revelação, por um jornal paulista, de que o Ministério da Cultura aprovara um projeto que prevê a gravação de 365 vídeos em que a cantora lê poemas importantes da língua portuguesa, uma horda de gente preconceituosa e mal informada avançou contra ela com paus e pedras.
 
 O projeto O mundo precisa de poesia foi apresentado ao Ministério da Cultura pela Quitanda Produções Artísticas, e previa a captação de R$ 1,79 milhão, por renúncia fiscal, para a produção e veiculação dos vídeos, um por dia, durante um ano. O Ministério aprovou, reduzindo o valor para R$ 1,3 milhão. De acordo com a Lei Rouanet, esse valor poderá ser obtido junto a empresários, que descontarão uma parte dele ao pagar seus impostos de renda. Portanto, o Ministério não deu o dinheiro, apenas autorizou a produtora a solicitá-lo ao empresariado.

 
De acordo com a proposta, os vídeos serão veiculados em um blog na internet, no YouTube e outros espaços, um por dia, durante um ano, e estarão acessíveis para quem quiser vê-los e copiá-los. A seleção dos poemas será feita pela própria Maria Bethânia, que ao longo de uma irrepreensível carreira de mais de quatro décadas tem prestado inestimável serviço não apenas à melhor música brasileira, como também à poesia de língua portuguesa, levando a obra de autores como Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes, Sophia de Mello Breyner Andresen e inúmeros outros a um público totalmente seduzido pela beleza de suas interpretações.

 
Ao tornar acessíveis, pela internet, 365 poemas de primeira grandeza, Maria Bethânia levará a poesia a um público nem sempre íntimo dessa arte, hoje disponível apenas em livros de circulação restrita. A interpretação de Maria Bethânia resgata a oralidade da poesia, revelando sua beleza a pessoas que nem sempre compreendem os mistérios dessa linguagem. 

 
O episódio merece reflexões profundas. É assustadora a reação das pessoas, entre as quais há até mesmo poetas brasileiros que deveriam ter aplaudido a iniciativa, pois, afinal, como diz o próprio título do projeto, o mundo precisa de poesia, e o Brasil muito mais. Sabemos que o Brasil é um país iletrado, mas pior que isso é nossa vocação para cultuar a ignorância. Entre as manifestações que se reproduziram em redes sociais, blogs e seções de comentários dos jornais, era evidente que a grande maioria dos que protestaram o fizeram pelo simples prazer de protestar, sem ler o projeto, sem saber o que é a Lei Rouanet ou conhecer suas regras, e especialmente por um sadismo pouco disfarçável, alimentado pelo covarde ataque em massa a uma pessoa que obteve prestígio nacional graças a seu talento, coerência e integridade.

 
A obtenção de recursos para produções culturais, via renúncia fiscal, é prática comum e totalmente legítima, prevista em lei. Shows, DVDs, livros, filmes, peças de teatros, CDs são produzidos dessa forma. Pode-se questionar a qualidade dos artistas e vários outros aspectos, mas a aprovação, ou não, do projeto obedece a critérios puramente técnicos, e assim deve ser. 


O mais irônico dessa história é que a maior parte dessas produções não presta qualquer contribuição à cultura brasileira, e nem por isso se organizam protestos contra essa ou aquela. Turnês gigantescas, promovidas por empresas multinacionais, com retorno financeiro garantido, e que nenhuma contrapartida oferecem, são produzidas dessa forma. Há artistas descaradamente comerciais que assim gravam CDs e DVDs, vendidos a preços de mercado. Filmes sem qualquer valor cultural, lançados com estrondosas campanhas de marketing, são patrocinados pela mesma lei. 
 
Qual é o mistério por trás da campanha contra Maria Bethânia? Eu tendo a acreditar, mesmo sem querer, que se a produtora houvesse apresentado um projeto de R$ 2 milhões, ou R$ 5 milhões, apenas para uma turnê de shows de Maria Bethânia, ou gravação de um DVD, não teria havido tal reação. Ninguém protesta contra os milhões obtidos por artistas como Ivete Sangalo, Roberto Carlos, Gilberto Gil, duplas sertanejas ou grupos de axé. O filme Bruna Surfistinha captou R$ 4 milhões da mesma forma. Ninguém protestou. A Lei Rouanet viabiliza a produção de artistas importantes, mas também patrocina o esgoto da cultura brasileira. Tudo sob respeitoso silêncio. Praticamente todos os filmes produzidos no Brasil, alguns vistos por não mais que 3 mil, 5 mil pessoas, obtêm financiamento da mesma maneira. 

 
Duas palavras mágicas desencadearam a onda de protestos contra Bethânia. A primeira é “blog”, um espaço gratuito na internet, onde qualquer um escreve o que quiser. A segunda é “poesia”, uma arte vítima de muitos preconceitos, que para alguns é apenas obra de desocupados (como se a campanha contra Bethânia não fosse também obra de desocupados). As pessoas não entenderam, ou não quiseram entender, que o projeto O mundo precisa de poesia prevê captação de recursos não para a produção de um blog, e sim para a produção de 365 vídeos de nível profissional. E também não se percebe que a Poesia pode prestar grande contribuição para melhorar a qualidade de nossa educação e, em cascata, ajudar a aprimorar nosso senso crítico e nossa capacidade de reflexão. 

 
A onda de protestos encontrou terreno fértil também na irresponsabilidade da imprensa, que adora esse tipo de polêmica, mas é incapaz de analisar a fundo o alcance de um projeto que, ao contrário de quase todos os outros, pode ser uma valiosa ferramenta para as escolas, de todos os níveis, e que levará a melhor poesia de língua portuguesa a um público imensurável. E criará um acervo de grande importância, para agora e para o futuro. Esse desdobramento previsto pelo projeto da Quitanda não existe nas produções meramente comerciais, algumas até mesmo nefastas para nossa cultura, que se multiplicam sob o patrocínio da Lei Rouanet.

 
Maria Bethânia tem uma história irrepreensível e merece respeito. A Poesia também.

[O proprietário deste blog tomou a liberdade de usar a foto de Juan Guerra, da Agência Estado, para ilustrar este texto] 

25 comentários:

Octávio Scapin disse...

Parabéns por mais este artigo Marino. Nossos jornais poderiam estar repletos deles. Abraços!

Lourdes Martins disse...

parabéns por ter escrito um comentário que realmente diz a verdade. Bethania é um ícone no Brasil e não pode ser execrada em público como está acontecendo. E preciso respeito!

irene disse...

Zé Alexandre;

Maravilhoso seu artigo! Recentemente o jornalista Marcos Dias, no Jornal "A Tarde"" escreveu que "Bethânia recebeu na casa de Fernando Pessoa, em Portugal, a Ordem do Desassossego, por ser uma das personalidades que mais divulgam a obra do peta português. Dissse que com o projeto Bethânia e as palavras, que vem apresentando pelo país, a cantora e ex- aluna da escola pública, insiste que o Brasil valorize a educação pública e os professores. A crescenta que mais do que informação, literatura tem a ver com sabedoria. mais do que sabedoria com a vida real. realíssima."

Parabéns pela sabedoria de seu artigo porque tem haver com a vida real!

Irene

F@bio Roch@ disse...

Apoiado amigo!!

Nosso Brasil precisa aprender a valorizar a cultura brasileira, assim como, os amantes e anunciadores da mesma.

PARABÉNS AMIGO!!!

Olha, tenho um desafio p/ vc em minha página, vai lá!!!

AL-Chaer disse...

Grande Alexandre Marino,

É preciso lhe agradecer, não somente pela sua Poesia (com seu talento e o cuidado que você tem para com os versos), mas - também - pelas reflexões que você nos traz aqui no "Poesia Nômade".

Este texto sobre o "caso Maria Bethânia" é O TEXTO MAIS LÚCIDO que li sobre o assunto.

Grande AL-Braço
AL-Chaer

mavi pugliesi disse...

http://www.facebook.com/pages/A-Cultura-De-Maria-Beth%C3%A2nia/172377999479766#!/pages/A-Cultura-De-Maria-Beth%C3%A2nia/172377999479766

Guido Heleno disse...

Zé:
Não sabe como foi importante para mim ler seu esclarecedor artigo sobre o episódio do blog da Bethania.
Confesso que, pelas informações que recebi, estava decepcionado por ela. Tentaram me levar a crer que a ministra da Cultura, Ana de Hollanda, atual responsável pela política cultural havia destinado uma verba significativa para ela fazer um blog, dinheiro que daria para promover uma série de ações culturais junto aos que não têm acesso à cultura.
Vejo agora que, na verdade, uma produtora conseguiu autorização para captar recursos para produzir tal blog.
Agora, me vingarei (rs) enviando o seu artigo para aqueles que tentaram me venderam uma falsa e tendenciosa informação.
Parabéns!
Bom tê-lo como amigo.
Abraços
Guido Heleno

Janete de Azevedo disse...

Tem de ser gente muito complexada, muito frustrada, ressentida até a medula para protestar contra a arte. Maria Bethânia tem prestado um infinito serviço à cultura luso-brasileira, latino-americana, universal. Que mordam o rabo!!!

Janete de Azevedo disse...

Alex teu artigo está lindo e colocou no seu devido lugar aos portadores do virus da inveja, da iniquidade, da avalanche de ressentimentos. Parabéns!

Equipe Consultoria disse...

Não da pra discutir a obra dos grandes nomes da MPB, entre eles Maria Bethânia, mas os métodos empresariais podem ser discutidos sim!!!

A produção do video-blog, que tem projeto bem legal, não teria dificuldade de de levantar patrocínio, seja pelo nome Maria Bethânia, seja pela qualidade do blog.
Da mesmo forma é um absurdo, nomes fundamentais para a nossa cultura como Caetano e Chico Buarque, entre outros, buscarem verba através de isenção fiscal para turnês de shows com ingressos a preços elevados.
É necessário bom senso dos artistas, produtores e burocratas.

Fábio Ferreira

MERLÂNIO MAIA disse...

Poeta,

Muito importante sua reflexão e denúncia.

Peço permissão para colocar no meu Blog www.merlaniomaia.com/

Abraço forte!

Merlânio

João Neto disse...

Acho que não há como esperar mais (ou menos) da mídia de repudiou a iniciativa da cantora em usar a lei Rouanet para a confecção do blog, quando a mesma mídia atribiu o "alcunha" de palhaço (em tom pejorativo) ao, agora deputado federal, Tiririca e ao mesmo tempo, consagra o termo "comediante" ao embaixador da Unicef "Didi". Dois pesos, várias medidas. O que é positivo nas palavras do Alexandre é a capacidade de indignação e o debate. Grande abraço aqui da Bélgica.

betina moraes disse...

na minha opinião, põe definitivamente os pingos nos "is". terminada a polêmica.

abraço.

tercio disse...

desafinando um pouco o coro dos contentes, pode-se dizer também que Bethânia está revolucionando a História da poesia no Brasil - de agora em diante nenhum poeta vai poder reclamar que poesia não dá dinheiro. Como Bethânia vai ganhar 60 mil reais por mês, pra apresentar no blog um poema por dia, ela vai ganhar a mixaria de 2 mil reais por cada poema. Serão os poemas mais caros do mundo em todos os tempos. A Pasárgada é aqui!

Munish disse...

Esse texto devereia estar em todas as manchetes para que esse bando de oportunistas e defensores do emburrecimento do Brasil pudessm ser calados.Que venham não só essas 365 poesias mas muito mais ainda pela frente, não só com a Bethânia mas com todos aqueles que apreciam a inteligencia e a sensibilidade.

Clarinha disse...

Ótimo texto, Alexandre. Tomara que os vídeos fiquem logo prontos. Quero baixar e mostrar todos para João. Ele gosta de vídeo, televisão, computador, internet... Eu quero mostrar a ele como usar as mídias de um jeito bom e enriquecedor!

Beijos

NICOLAU LUTZ, Porto Alegre disse...

Pela coleção de comentários, somente foram selecionados os laudatórios. Sou fã de BETHÂNIA, já copiei poesias no YOUTUBE que já foram pagos pelo público na hora da gravação.. Esta verba seria purificada em alguma favela de SANTO AMARO da PURIFICAÇÃO... Comadres à parte, esta parte que não nos repartem.

ALEXANDRE MARINO disse...

Aos leitores: esclareço que não faço seleção de comentários. Todas as observações aqui postadas estão publicadas. Minha intenção é ser o mais aberto possível ao debate saudável. Eu só não permitiria, obviamente, agressões ou coisas do tipo.

NICOLAU LUTZ, Porto Alegre disse...

Peço desculpas por ter me expressado mal... A verdade é que ALEXANDRE faz esclarecimento do mecanismo da concessão destas verbas de uma maneira que todos os fãs de BETHÂNIA (e a galera do PT) gostariam de ouvir e o endosso ao comentário original é quase unanimidade... Como já foi dito, é muito dinheiro para um blog. Eu, particularmente, preferia ver este dinheiro transformado em tributos e aplicado nas necessidades mais prementes que a necessidade de poesia de uma única intérprete... A explicação está corretíssima sobre o mecanismo da legislação, a minha discordância é contra a desproporcionalidade do custo de um blog de poesias... Um abraço ALEXANDRE, Acredito que a liberdade de expressão só ofende quando a opinião é falsa.

Anônimo disse...

Não é uma simples autorização, nós pagamos depois sim pois o governo concede incentivos fiscais generosos a essas empresas em troca dessa captação de recursos.

Janete de Azevedo disse...

Falando de cultura,falta de proporçao é sem dúvida a morte do maxixe. Sim! Aquele gênero, aquela dança sensual e alegre que era a cara do Brasil e que se foi sem que as pessoas questionassem ou protestassem! Aliás o que a maioria do povo sabe do maxixe é que é o fruto do maxixeiro. A outra cara da moeda é o tango, sensual e trágico que está vivito y coleando. O que sobrou na Argentina e o que faltou no Brasil?
Falta de proporçao foi o que fizeram no Brasil, com Carmem Miranda!!!
A nossa carga tributária é altíssima. A sociedade produtiva brasileira carrega nas costas os seus miseráveis e o "ladronismo" dos insaciáveis politiqueiros. E aqui está a maior falta de proporçao: o silêncio cúmplice da nossa sociedade.
Nao é a lei Rouanet que impede que os impostos cheguem aos mais necessitados. É o roubo desproporcionado dos politiqueiros que nos governam. E que bom que existe essa Lei porque é menos dinheiro que entra no bolso dos ladroes de oficio e que beneficia a culura que é o oxigêncio de toda a sociedade que se apresenta como tal. Cultura se produz com muito dinheiro, nao com migalhas, nao com raspas de tacho. O melhor exemplo é sem dúdica o da Europa e dos Estados Unidos que os brasileiros aplaudem efusivamente nas suas viagens turísticas. E nao é assimm?
Para concluir, anônimo nao deveria ter espaço em um blog de alta densidade cultural.

Primeira Dama disse...

Parabéns!!! Finalmente uma pessoa sensata e sensivel... e melhor sabe compreender e interpretar. Obrigada!!!

CELSO ADOLFO,compositor disse...

CELSO ADOLFO,compositor disse...

A malandragem sempre bem disfarçada de muitas matérias de jornais impressos atinge o seu objetivo com rapidez inacreditável. É assim nas eleições, nas críticas aos artistas de todas as artes, na literatura. Nada escapa quando um jornal ou um jornalista quer fazer valer mais do que dar a sua sua opinião, especialmente quando rancorosa e maldosa, bem combinados. Essa malandragem confunde tudo e alcança o alvo: os mal informados, inocentes, distraídos. O bombardeio sobre Bethânia aconteceu porque ela, na condição de celebridade (que se fez às custas do seu talento artístico), sem maiores explicações, "não tem o direito de lançar mão de recursos públicos" para os seus projetos artísticos. Ainda mais se foram para a internet! Tem sim, Bethânia tem direito a isso, assim como milhares de nós o temos e assim o fazemos. Uma coisa, entre tantas, que assusta a geração completamente internauta é o fato de que essa geração entende o território da internet como o lugar onde circula o produto cuja produção é barata, ou que custou perto de nada. Sendo assim, inflada pelo jeito maldoso do jornal, a geração puramente internauta não argui nada, não sabe a que veio Maria Bethânia, o que ela é, que valor tem. O caso do projeto de Maria Bethânia merece mais comentários, e que Bethânia revele o alcance do seu projeto para que ela não fique com a pecha desonesta, simples assim, desonesta, como quem sequer se deu ao deu ao trabalho de se explicar. Eu acho que vale explicação, entre outros motivos porque dinheiro via Lei Rouanet é dinheiro público, é de cada brasileiro, e milhares não sabem disso, ou o que é isso, ou de onde vem isso. Os jornais criaram a turba e a fez supor que Bethânia faria só um blog. Não é só isso, mas, afinal, o que será feito se ela conseguir captar a grana aprovada? Esta resposta não é dispensável, porque vai salvaguardar a imagem da artista e a utilidade da Lei Rouanet. Como é que é mesmo o projeto? O valor se justifica? Cada profissional envolvido está sendo justamente remunerado conforme a planilha aprovada (e fiscalizada a seguir) pelo Minc? É um projeto caro? É caro por que é para Maria Bethânia? Mesmo que nessa corrida dos 100 metros rasos ela parta já dos 85 metros finais da pista, isso acontecerá porque ela já percorreu quilômetros e mais quilômetros desde que se lançou na corrida artística em tempos muito piores do que os de hoje, lá nos anos 1960. Não consta que ela tenha fraudado qualquer das passadas desde o início dessa corrida, que, para o bem das artes, ainda não terminou.

Primeira Dama disse...

Alexandre, obrigada pelo seu comentario em resposta ao meu no seu blog. Sou Irene, irmã de Bethania, fiquei muito feliz de encontrar no meio a tantos comentários podres, achar uma postagem tão maravilhosa. Obrigada pelas palavras e pelo texto em defesa a minha irmã. grande abraço.

Irene Vellos.

Giovani Iemini disse...

oi, alexandre.
tb tivemos nossa reação à betânia: fizemos um ezine DECLAMADO, gratuito, usando os recursos da rede.
veja em
www.bardoescritor.net
é a 48a rodada.
[]s